sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Hoje me chamaram de cafona e careta. Por um segundo, achei um absurdo, mas depois, pensando melhor eu sou mesmo. Eu acredito em monogamia. Em passeios de mãos dadas. Em café da manhã na cama. Em dividir problemas e alegrias. Em jantar a luz de velas. Em dormir de conchinha. Em amor, amor de verdade. Pois é, pensando em tudo isso que eu acredito, eu devo ser alguem cafona e careta no meio dessa gente que se acha tão moderna e que se diz tão feliz. Mas se a felicidade deles é tão contraria a tudo o que eu acredito, sinceramente, tenho medo do que seja a felicidade deles. Prefiro continuar sendo esse cafona e careta, mesmo que sozinho...

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Roupa Rasgada.

Cai na mesma armadilha mais uma vez. Cai, de novo, naquela velha história de esperar demais de alguem que eu mal conheço. Eu espero demais das pessoas. Eu vejo onde ainda nem pode existir. Eu imagino uma vida inteira, uma história inteira, passando na frente dos meus olhos, em poucos segundos. Eu ja vejo minha vida inteira virando de ponta cabeça, meus sentidos sendo torcidos de maneiras que eu não conseguia nem imaginar e então eu acordo. Aparecem dezenas, milhares, todos os dias, cada um com um potencial diferente pra mudar minha vida e destruir os castelos que eu construo em alguns segundos. Eu não levo mais que cinco minutos pra passar a ficha criminal, que eu chamo de vida, inteirinha pra alguem que eu mal conheço. Eu tenho tanto medo das pessoas se aproximarem de mim e se assustarem comigo que eu ja me arregaço logo. Me abro totalmente. Vomito tudo o que eu acredito e defendo de uma vez só, sem pausas e sem desculpas. Mas eu esqueço que ninguem se aproxima de mim por querer saber o que eu penso, a não ser que o que eu penso tenha alguma coisa relacionada a chupar um pinto em uma sala de cinema ou dar no primeiro encontro. Ninguem se aproxima de mim pelo o que eu penso, mas sim pelo o que eu aparento pensar. As pessoas andam tão distorcidas hoje em dia que não conseguem mais diferenciar minha arrogância da minha sinceridade e minha antipatia com a minha seletividade. E isso me deixa morbidamente frustado comigo mesmo. Deus me deu um cérebro grande, pra eu ter milhares de pensamentos absurdos de uma só vez e ainda assim conseguir segurar o grito na minha garganta, uma bunda maior ainda, pra escutar as coisas mais absurdas vindas de mentes escrotas, e um coração grande e tolo o suficiente pra me martirizar e muito por preferirem uma bunda a uma cabeça que pensa em algo mais que sexo, alcool e mais sexo. Não, eu não acho que sexo seja dispensavel, muito pelo contrario, mas ainda assim, eu comparo uma boa conversa durante uma tarde preguiçosa, tão prazerosa quanto uma noite todinha de sexo, e se for uma coisa seguida da outra é melhor ainda. Mas as pessoas preferem a bunda ao cérebro. Preferem 15 minutos de sexo oral do que uma vida inteira de dedicação incondicional. As pessoas vivem tão rapidamente, hoje em dia, que conseguem encontrar um 'amor da minha vida' diferente pra cada semana, isso quando não é todo dia. O mundo tem me deixado tão confuso ultimamente que eu ja não sei se me orgulho de me sentir um marciano que ainda acredita em amar alguem por mais de uma semana e que mudar o 'status de relacionamento' no orkut não quer dizer porra nenhuma ou se quero pegar meia duzia na balada, e mudar periodicamente o status do meu orkut a cada semana, solteiro, namorando, solteiro, casado, relacionamento aberto, comendo fulano, dando pra ciclano mas se quiser dou pra você tambem, ou qualquer coisa do tipo que se coloque nesses status. Estou completamente fadigado do mundo, mas ja estou exausto de mim mesmo. Eu dreno minhas próprias forças como ninguem consegue fazer. E sabe de uma coisa? Quero deitar e dormir até perder a memória e quem sabe eu acordo e seja alguem um pouco menos diferente ou na pior das hipóteses alguem mais comum.

sábado, 1 de agosto de 2009

Meu problema com o mundo.

Todos sonham em ter um namorado. Todos querem alguem que seja brega o suficiente para alugar dezessete comédias-românticas para assistir em um final de semana frio, em baixo de um edredon, como estes desse ultimo mês. Todos querem alguem que escute, ou pelo menos finja escutar quando estão contando sobre qualquer merda que aconteceu durante o dia. Não precisa ser, basta fingir, pelo menos pra mim basta. Ja que não da pra ter de verdade, que seja de mentira. Mas ninguem finge mais nada. Ninguem quer saber de mais nada. É cada um por si e fodam-se todos. Encontrar alguem que queira dar um passeio no parque é mais dificil que acertar pedrada em avião. Meu problema com o mundo é justamente esse. Eu quero dar tudo isso, mas não tem pra quem dar. Escutou? Eu quero dar. Foda-se o mundo, eu quero dar. Mas tudo tem um preço. E o meu é ser enganado. Isso mesmo, me engane. Ja desisti, a muito tempo atrás de encontrar alguem que fosse capaz de se importar com o que eu estava sentindo ou sobre qualquer merda que eu tenha feito no dia. Uma vez eu achei que tinha encontrado mas logo entendi que, mesmo enxergando bem, eu ainda assim era um cego. Por isso, me engane. Finja que me ama, que se importa com o nada que eu fiz durante o dia, que quer me ter até não suportar mais sentir o cheiro do meu perfume. Fica mais um pouco. Me engana mais um pouco. Faz eu me sentir a melhor pessoa do mundo. Elogia minha roupa. Repara no jeito que eu cortei meu cabelo. Mente que eu não estou uns quilinhos a cima do peso. Finge que eu sou o cara mais bonito que você ja beijou e que mais desejou. Não olha pro filho da puta que ta dançando perto de você nessa bosta que seus amigos chamam de balada. Me leva pra assistir teatro. Me leva no cinema na terça a tarde, compra ingressos pra um filme infantil e aproveita que estamos só os dois na sala de cinema. Dorme na minha cama até seu perfume impregnar nos meus lençóis e quando você não estiver por perto eu poder ainda sentir o teu perfume. Quando eu estiver reclamando de alguma coisa, me olha e diga derrepente que me ama. Nem que seja de mentira. Me engana. Me deixa acreditar que você me ama de verdade. Eu preciso disso. Eu preciso acreditar que ainda existe amor. Nem que ele seja uma farça. Tudo hoje em dia é uma farça mesmo, até reality show é manipulado, então minha vida, meu próprio reality show, pode ser manipulado. Eu ainda não estou pronto para desistir de amar, e mais ainda, não estou pronto para desistir que alguem me ame. Então faça seu melhor, ganhe o oscar de enganação. Quem sabe me enganando tanto, você mesmo não consiga acreditar que me ama ...